Materiais/Cursos
- Pessoal
- Alimentação
- Extras
- Jogos e Esportes
- Informática
- Artes
- Telefônia
- Dinheiro
- Música
- Concursos
- Adulto
 
Dicas e Guias
- Artes e Cultura
- Ciências e Experiências
- Compras e Serviços
- Culinária e Receitas
- Dinheiro e Finanças
- Educação e Sabedoria
- Esportes e Jogos
- Estética e Beleza
- Estudos Bíblicos
- Fontes de Referência
- Games e Truques
- Histórias e Contos
- Humor e Piadas
- Internet e Informática
- Lazer e Diversão
- Limpeza e Consertos
- Mágicas e Truques
- Música e Instrumentos
- Saúde e Tratamentos
- Outros - Variados
Escreva uma Dica!
Mensagens
- Amizade
- Estudos e Cursos
- Humor
- Natureza
- Pessoa
- Reflexão
- Religiosa
- Saúde
- Vida
Envie sua Mensagem
 
Sites de Conteúdo Gratuito
- acesso grátis
- albúm de foto
- agenda virtual
- antivírus grátis
- bate papo
- blogs & Cia
- bookmarks
- brindes e prêmios
- cartões virtuais
- classificados virtuais
- cliparts grátis
- comparação de preços
- culinária
- dinheiro
- discos virtuais
- downloads
- drives
- ebook grátis
- email grátis
- educação
- empregos
- fontes grátis
- humor
- infantil
- jornal e revistas
- leilões virtuais
- lista de discussão
- música gratis cifra
- música grátis mp3
- namoro online
- tradutores online



Receba
Novidades em seu e-mail

Curso de manutenção de computadores
Material de Curso de manutenção de computadores
Gratuito



Parte 5: Memória RAM

A memória RAM é mais um dos componentes essenciais dos micros PCs. O processador utiliza a memória RAM para armazenar programas e dados que estão em uso, ficando impossibilitado de trabalhar sem pelo menos uma quantidade mínima dela.
Atualmente, o recomendável em termos de custo benefício são 128 MB de memória RAM, principalmente se você estiver usando (ou pretender usar) o Windows 2000. Quando a quantidade de memória instalada é insuficiente, o Windows usa o disco rígido para simular a existência de mais memória, permitindo que os programas rodem, mesmo estando toda a memória física ocupada. Este recurso é chamado memória virtual, e consiste em criar um arquivo temporário no disco, chamado de swap file, ou arquivo de troca e gravar nele os dados que não cabem na memória. O problema é que apesar dos programas rodarem, tudo fica extremamente lento, pois o disco rígido é milhares de vezes mais lento que a memória RAM. Quanto mais dados precisarem ser copiados para o arquivo de troca, menor será o desempenho. De nada adianta termos um processador muito rápido, se devido à pouca quantidade de memória disponível, seu desempenho é sub-utilizado devido ao uso de memória virtual, ficando limitado à performance do disco rígido.

Formato

Os chips de memória são frágeis placas de silício, que precisam ser encapsulados em alguma estrutura mais resistente antes de serem transportados e encaixados na placa mãe. Assim como temos vários tipos de encapsulamento diferentes para processadores, (SEC e PPGA por exemplo) temos vários formatos de módulos de memória. Inicialmente os chips são encapsulados em módulos DIP, que os protegem e facilitam a dissipação do calor gerado pelos chips. Estes por sua vez são soldados em placas de circuito, formando os módulos de memória. Existem basicamente 3 tipos de módulos de memória: os módulos SIMM de 30 vias, os módulos SIMM de 72 vias e, finalmente, os módulos DIMM de 168 vias. Atualmente também temos no mercado os módulos de memórias DDR e Rambus, que veremos a seguir


Módulo SIMM de 30 vias

Os primeiros módulos de memória criados são chamados de módulos SIMM, sigla que significa “Single In Line Memory Module”, justamente por que existe uma única via de contatos. Apesar de existirem contatos também na parte de trás do pente, eles servem apenas como uma extensão dos contatos frontais, existindo apenas para aumentar a área de contato com o encaixe na placa mãe.

Examinando o pente você verá um pequeno orifício em cada contato, que serve justamente para unificar os dois lados.
Os primeiros módulos SIMM possuíam 30 vias, e eram capazes de trabalhar com transferências de até 8 bits por vez. Estes módulos foram utilizados em micros 386 e 486 e foram fabricados em varias capacidades, sendo os mais comuns os de 1MB e 4 MB, existindo também módulos de 512 KB, 8 MB e 16 MB.

 
Módulo SIMM de 30 vias

Como tanto o 386 quanto o 486 são processadores que acessam a memória usando palavras de 32 bits, é preciso combinar 4 pentes para formar cada banco de memória, ou seja, como o processador precisa de 32 bits, e cada pente fornece apenas 8, é preciso combinar 4 pentes, que serão acessados pelo processador como se fossem um só. Temos então que usar estes módulos em quartetos, 4 módulos ou 8 módulos, mas nunca um número quebrado.
Nos micros equipados com processadores 386SX são necessários apenas 2 pentes, já que o 386SX acessa a memória usando palavras de apenas 16 bits.


É importante lembrar que todos os 4 pentes que formam um banco precisam ser idênticos, caso contrário podem ocorrer travamentos ou instabilidade no micro. Você pode usar 4 módulos de um tipo para formar o primeiro banco e 4 módulos diferentes para formar um segundo banco, mas nunca misturar dentro de um mesmo banco.

Módulo SIMM de 72 vias

Apesar de serem muito mais práticos do que os chips DIP, os módulos SIMM de 30 vias ainda eram bastante inconvenientes, já que era preciso usar 4 pentes idênticos para formar cada banco de memória. Para solucionar este problema, os fabricantes criaram um novo tipo de pente de memória SIMM, de 32 bits, que possui 72 vias. Esse tipo de memória foi usado em micros 486 mais modernos e tornou-se padrão em micros Pentium.
 
Módulo SIMM de 72 vias

Ao invés de quatro, é preciso apenas um módulo SIMM de 72 vias para formar cada banco de memória nos micros 486, ou seja, é permitido usar qualquer combinação, já que cada pente sozinho forma um banco. Como o Pentium acessa a memória usando palavras de 64 bits, são necessários 2 pentes para formar cada banco, por isso é que usamos os pentes de 72 vias aos pares no Pentium. Se você pretende instalar 16 MB de memória, precisará de 2 pentes de 8 MB ou então 4 pentes de 4 MB, nunca poderá instalar um único pente de 16 MB como poderia ser feito em um 486.


Módulo DIMM de 168 vias

Ao contrario dos módulos SIMM de 30 e 72 vias, os módulos DIMM possuem contatos em ambos os lados do pente, o que justifica seu nome, “Double In Line Memory Module” ou “módulo de memória com duas linhas de contato”. Como Os módulos DIMM trabalham com palavras binárias de 64 bits, um único módulo é suficiente para preencher um banco de memória em um micro Pentium ou superior, dispensando seu uso em pares. Caso você deseje instalar 64 MB de memória em um Pentium II por exemplo, será preciso comprar apenas um único módulo DIMM de 64 MB.
Os módulos DIMM de 168 vias são os únicos fabricados atualmente. Você dificilmente encontrará módulos de 72 vias, ou placas mãe novas que os suportem à venda, apenas componentes usados.
 
Módulo DIMM de 168 vias


Tecnologias utilizadas

Além de se dividirem quanto ao formato, os módulos de memória também se diferenciam pela tecnologia utilizada. Existem memórias FPM, EDO e SDRAM (que se dividem em memórias SDRAM PC-133, PC-100 e PC-66)


Memórias FPM (Fast Page Mode)

As memórias FPM são o tipo mais antiquado de memória que ainda pode ser encontrado atualmente. Apesar de ser compatível com os micros modernos, este tipo de memória não é mais usado por ser muito lento se comparado com as memórias EDO e SDRAM.

Página Anterior
Próxima Página
voltar próximo
1 - 2 - 3 - 4

Parte 01 - Conhecendo os Componentes
Parte 02 - Iniciando a Montagem
Parte 03 - A - Processadores
Parte 04 - B - Processadores
Parte 05 - Memoria RAM
Parte 06 - Disco Rigido
Parte 07 - Placas Mãe
Parte 08 - Placas de Video e Monitores
Parte 09 - Outros Periféricos
Parte 10 - Setup
Parte 11 - Gravando em CD

 
 

 

IdealGratis.com © Copyright - Todos os direitos reservado aos seus respectivos Autores. - Envie seu Material - | Parceiros
Escolha seu Idioma:
English (British)
Spanish
French
Italian
Deutsch